Sábado, 3 de Fevereiro de 2007

(36) Amante amor meu!

AMANTE AMOR MEU!
 
                                     AMOR QUE PAIXÃO PERFEITA
                               ENCONTRO DO INCONFUNDÍVEL CAMINHO DE FELICIDADE
                                COMO PALAVRA, LÉXICO, VOCÁBULO VIVO NA VERDADE
                              EM UM SONHO SEM FIM, MAIOR QUE OS ALPES E MONTANHAS
                      DESEJO MAIS VIDA COMO SE A VIDA JÁ NÃO FOSSE MAIS REAL
                             O AMOR ARDEU NA PONTA DO MEU SENTIMENTO E SEM VER ENTRA E ARDE NO PEITO
                             VEMOS TUDO COR DE ROSA APESAR DISSO
                               SOMOS CALADOS E EXTROVERTIDOS
                                  MEIOS BOÇAIS OU INTROVERTIDOS
                          NÃO SABEMOS DIFERIR O BEIJO DA MANHÃ COM A DA NOITE
                                  TUDO TÃO IGUAL COMO ESPUMA MARITIMA E QUE RITMA
                                     AS BATIDAS QUE O AMOR DESACELERA COMO LANCINANTE
                                        ARMADILHA, A CILADA QUE TODOS CAÍMOS...
                                         SEMPRE POR CULPA DO HORMÔNIO AQUELE FEROMÔNIO QUE NO MASCULINO OU FEMININO SEDUZ COMO LICOR DIAMANTE VERDE ESTRO DE ESTIRPE ENVOLVENTE, CAIMOS NAS GARRAS OLENTES DA ABELHA RAINHA,
                      O CORAÇÃO É CRIMINOSO, VÍTIMA, AMBIGÜO, AMIGO
                            FACETAS MESCLADAS TUDO ACONTECE AO MESMO TEMPO
                                     COMO VULCÃO, FORÇA DUM TUFÃO, GRANDE MAREMOTO
                                      OPORTUNA TEMPESTADE DE VERÃO, AULIDA CHEIA AO DENTE DE GASTRONOMIA POÉTICA, COMEMOS A SEIVA HERMÉTICA DOS SORRISOS OU DANTESCOS CHORO E TUDO ISTO É SÓ UM RESUMO SUCINTO DO QUE SENTIMOS NA HORA DO AMOR!
 
EDEMILSON REIS

publicado por poesiaemrede às 17:33
link do post | comentar | favorito
|
Site_Poesia_em_Rede
. Índice dos Poemas de Amor

.Poemas a Concurso

. Publicação Final

. (152) Cinzas

. (151) Sentei-me à beira-m...

. (150) Caí na desgraça

. (149) O amor é o fim

. (148) Um Mundo de Sonho/U...

. (147) O tempo

. (146) Não foi à primeira

. (145) Amor

. (144) Deixa o sol saber e...

. (143) Do Amor

. (142) História de vida (A...

. (141) Te quero...

. (140) Infinito

. (139) Sonhar é viver...

. (138) Momento de Amar

. (137) Amar com seis senti...

. (136) "Sem título"

. (135) Poema Tropical

. (134) O que sinto : é amo...

. (133) Play

. (132) Continua*

. (131) Tu és...

. (130) Amor de Noite e Dia

. (129) Aparece

. (128) Graças a ti...

. (127) Je T' Aime

. (126) Amanhecendo em ti

. (125) Sentimento do Amor

. (124) Querer Bem

. (123) Magia transparente

. (122) Margens de mim

. (121) Sou... Ser...

. (120) Hoje olho-te

. (119) Moras num livro

. (118) Pra que nome?

. (117) Solidão

. (116) "Triefe"

. (115) Partiste, sem satis...

. (114) União

. (113) Ode Única

. (112) Lá na esquina da ca...

. (111) Amor

. (110) Sinto...

. (109) Paixão Proibida!

. (108) Momento

. (107) Os olhos do meu amo...

. (106) Quero cada uma das ...

. (105) Tempo

. (104) O que é o amor?...

.Mais Poemas

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

Limitações na base dos Blogs SAPO não nos permitem publicar, conforme prevíamos, um link directo para os primeiros poemas. Aos visados as nossas desculpas.

.Poesia em Rede

blogs SAPO

.subscrever feeds

Cell Phones