Terça-feira, 27 de Março de 2007

(132) Continua*

Continua*

Porque é que não consigo esquecer o passado
Porque é que não consigo esquecer, nem o teu calçado
Porque é que passados dois anos és pensamento permanente
Porque é que passados dois anos me provocas um sentimento deprimente
Porque é que no fim de pensar que tinha finalmente acabado
No fim de estar novamente apaixonado
Penso no que sentia, ou sinto por ti
E me apercebo de que agora não é nada, comparado com o que vivi
Porque é que nunca dizes nada
Porque é que nunca perguntaste por uma namorada
Porque é que tens medo de perguntar
Porque é que tens medo do meu olhar
Porque é que nunca mais apareceste por cá
Porque é que insistes em responder "sei lá"
Porque é que quando tento ligar não atendes
Porque é que dizes que estás bem, quando estás em momentos deprimentes
Porque é que me marcaste tanto
Porque é que não consigo pôr-te a um canto
Porque é que mal falas comigo
Porque é que não queres que eu vá ter contigo
Porque é que olhar para uma foto tua me provoca um sorriso tão triste
Porque é que não te queres lembrar do que sentiste
Porque é que não sorris o que já sorriste
Porque é que agora mentes sobre o que nunca mentiste
Porque é que não te esqueço
Porque é que tanta vez, é a pensar em ti que adormeço
Porque é que não te mereço
Porque é que não podemos ter um novo começo…?
 
Marta Ribeiro
publicado por poesiaemrede às 01:04
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De continuar a 16 de Agosto de 2012 às 04:11
LINDO Era tudo oque presizava ler...
De Cristina a 24 de Julho de 2012 às 23:25
Adorei a minha história esta neste poema adorei agora entendo que não sou a única a sentir o mesmo lindas palavras
De Cristina a 24 de Julho de 2012 às 23:25
Adorei a minha história esta neste poema adorei agora entendo que não sou a única a sentir o mesmo lindas palavras

Comentar post

Site_Poesia_em_Rede
. Índice dos Poemas de Amor

.Poemas a Concurso

. Publicação Final

. (152) Cinzas

. (151) Sentei-me à beira-m...

. (150) Caí na desgraça

. (149) O amor é o fim

. (148) Um Mundo de Sonho/U...

. (147) O tempo

. (146) Não foi à primeira

. (145) Amor

. (144) Deixa o sol saber e...

. (143) Do Amor

. (142) História de vida (A...

. (141) Te quero...

. (140) Infinito

. (139) Sonhar é viver...

. (138) Momento de Amar

. (137) Amar com seis senti...

. (136) "Sem título"

. (135) Poema Tropical

. (134) O que sinto : é amo...

. (133) Play

. (132) Continua*

. (131) Tu és...

. (130) Amor de Noite e Dia

. (129) Aparece

. (128) Graças a ti...

. (127) Je T' Aime

. (126) Amanhecendo em ti

. (125) Sentimento do Amor

. (124) Querer Bem

. (123) Magia transparente

. (122) Margens de mim

. (121) Sou... Ser...

. (120) Hoje olho-te

. (119) Moras num livro

. (118) Pra que nome?

. (117) Solidão

. (116) "Triefe"

. (115) Partiste, sem satis...

. (114) União

. (113) Ode Única

. (112) Lá na esquina da ca...

. (111) Amor

. (110) Sinto...

. (109) Paixão Proibida!

. (108) Momento

. (107) Os olhos do meu amo...

. (106) Quero cada uma das ...

. (105) Tempo

. (104) O que é o amor?...

.Mais Poemas

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

Limitações na base dos Blogs SAPO não nos permitem publicar, conforme prevíamos, um link directo para os primeiros poemas. Aos visados as nossas desculpas.

.links

.Poesia em Rede


. Poesia em Rede

. seguir perfil

. 18 seguidores

blogs SAPO

.subscrever feeds

Cell Phones