Sexta-feira, 2 de Março de 2007

(81) Prisioneiro

Prisioneiro

É um galope esse fogo
Que arde no peito
O descontrole de
Multidões de desejos
Assim, fisgado como
Peixe no anzol
Em vão me debato
Buscando o meu Sol
De filho do aço
O meu coração se gabava
Vencido se envergonha
Se encolhe, se cala
Diante de meu algoz
Arrebatadora paixão
Não existe súplica
Piedade, perdão
Quero só minha
A fêmea desejada
Em longos dias
Infindas madrugadas
De busca insana
Por desertos sem fim
Já não sei quem sou
O que será de mim
Se cego ando em trevas
A Luz não é o meu tesouro
Mulher, é você
Fogo em minha carne
Meu bem mais precioso.


Autor: Rutinaldo Miranda Batista Júnior

publicado por poesiaemrede às 16:39
link do post | comentar | favorito
|
Site_Poesia_em_Rede
. Índice dos Poemas de Amor

.Poemas a Concurso

. Publicação Final

. (152) Cinzas

. (151) Sentei-me à beira-m...

. (150) Caí na desgraça

. (149) O amor é o fim

. (148) Um Mundo de Sonho/U...

. (147) O tempo

. (146) Não foi à primeira

. (145) Amor

. (144) Deixa o sol saber e...

. (143) Do Amor

. (142) História de vida (A...

. (141) Te quero...

. (140) Infinito

. (139) Sonhar é viver...

. (138) Momento de Amar

. (137) Amar com seis senti...

. (136) "Sem título"

. (135) Poema Tropical

. (134) O que sinto : é amo...

. (133) Play

. (132) Continua*

. (131) Tu és...

. (130) Amor de Noite e Dia

. (129) Aparece

. (128) Graças a ti...

. (127) Je T' Aime

. (126) Amanhecendo em ti

. (125) Sentimento do Amor

. (124) Querer Bem

. (123) Magia transparente

. (122) Margens de mim

. (121) Sou... Ser...

. (120) Hoje olho-te

. (119) Moras num livro

. (118) Pra que nome?

. (117) Solidão

. (116) "Triefe"

. (115) Partiste, sem satis...

. (114) União

. (113) Ode Única

. (112) Lá na esquina da ca...

. (111) Amor

. (110) Sinto...

. (109) Paixão Proibida!

. (108) Momento

. (107) Os olhos do meu amo...

. (106) Quero cada uma das ...

. (105) Tempo

. (104) O que é o amor?...

.Mais Poemas

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

Limitações na base dos Blogs SAPO não nos permitem publicar, conforme prevíamos, um link directo para os primeiros poemas. Aos visados as nossas desculpas.

.Poesia em Rede

blogs SAPO

.subscrever feeds

Cell Phones